Indústria do cinema teme que Google Fiber, banda larga de fibra ótica da gigante de Mountain View, incentive a pirataria

Os truques de Hollywood contra a pirataria estão ficando antiquados. Não apenas a indústria do cinema continua a criar um ótimo "relacionamento" com sua audiência processando os sites de compartilhamento, como também está preocupada que uma maior velocidade de conexões na internet irá incentivar a pirataria.

A preocupação da Associação Americana de Cinema (MPAA, em inglês) é o Google Fiber, banda larga de fibra óptica com alta velocidade que a companhia está implantando em uma cidade de Kansas.

A Google já estabeleceu mais de 100 quilômetros de fibra em Kansas, que foi escolhida no ano passado para ser a primeira cidade a receber o experimento 1-gigabite-por-segundo. “A empresa planeja conectar as primeiras casas à sua rede nos próximos meses”, disse a porta-voz do Google Fiber, Jenna Wandres, à Bloomberg BusinessWeek.

De acordo com a companhia, o teste da sua rede de fibra com aproximadamente 850 casas em Palo Alto já oferece velocidade de download de 922 megabites por segundo. A velocidade média da Internet nos Estados Unidos fica em torno de 5 Mbps. A Google também planeja oferecer o serviço a preços bem competitivos.

Então, por que Hollywood está preocupada? Bem, porque velocidades mais rápidas de download só podem significar uma coisa: os criminosos da pirataria serão capazes de baixar conteúdo ainda mais rapidamente. Com as velocidades de download do Google Fiber, é possível baixar o conteúdo inteiro de um DVD em menos de um minuto.

O porta-voz da MPAA, Howard Gantman, disse à Bloomberg que apesar de o Google Fiber "ser uma ótima oportunidade para os consumidores, cujo acesso ao conteúdo criativo muitas vezes é dificultada pela baixa velocidade", devemos olhar para o exemplo da Coreia do Sul, em que" o mercado de entretenimento doméstico foi dizimado pela pirataria digital", possibilitado pela Internet rápida.

O blog de tecnologia Techdirt ressalta que a Coreia do Sul é um mau exemplo - porque a indústria da música coreana "prospera na Internet de alta velocidade", e "se transformou em uma potência econômica, enquanto o país teve as maiores taxas de penetração de banda larga (e de pirataria digital) do mundo”.

Gantman também falou à Ars Technica, dizendo: "Queremos reforçar que velocidades mais elevadas podem ser uma grande oportunidade para os consumidores, e esse é o ponto de partida." Mas não é realmente o ponto de partida, porque Gantman passou a dizer que "Há problemas que podem, com o aumento da pirataria digital, vir com isso, mas estamos esperançosos de que esforços podem ser feitos para resolvê-lo”.

Talvez seja só eu, mas acho que a indústria do cinema deveria pensar em como a internet mais rápida irá afetar positivamente suas habilidades criativas. Por exemplo, com velocidades maiores, a indústria será capaz de criar um melhor conteúdo, e será capaz de conseguir que esse conteúdo - legítimo, não-pirata – chegue às pessoas rapidamente.

É óbvio que, se a indústria do cinema não for rápida e criar algum tipo de distribuição de conteúdo on-line legal e rápido para andar ao lado do Google Fiber, então alguém o fará. E quando alguém o fizer, a MPAA irá lamentar "A Pirataria".

Fonte: Idg Now

(Nenhuma avaliação para esta página.)

Avalie esta página!

Banda larga mais veloz dá calafrios em Hollywood

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *